Disintegration combina tática com ação rápida FPS


Novo jogo da V1 Interactive promete inovação e mistura estilos de jogos diferentes, é um híbrido de RTT e FPS

by:

Jogos

A comparação mais fácil para ajudar a explicar como Disintegration é diferente de outros games FPS é jogo o Titanfall. Trata-se menos de conceitos comparáveis de estórias – facções de um futuro distante em guerra ou estética semelhante – personagens e mundo cujo design desgastado pelo tempo conta histórias turbulentas.

É mais que ambos os jogos experimentam quando se trata de novas ideias no segmento do FPS. Titanfall trouxe o parkour ao movimento dos personagens e combinou-o com a capacidade do exoesqueleto cheio de arsenal.

A reviravolta de Disintegration é que prende você em um veículo aéreo conhecida como Gravcycle, e com ela você comanda um grupo de tropas de apoio com habilidade únicas.

Gravcycle do jogo Disintegration

Isso é uma abordagem de design que faz mais sentido, dadas as origens do jogo, começou com um título de estratégia em tempo real. Mas as primeiras versões fizeram pouco para diferenciar o jogo em um mercado já lotado. Marcus Lehto (presidente e diretor de jogos) e sua equipe na V1 Interactive perceberam isso, eles desenvolveram em direção à perspectiva mais atraente de um híbrido RTT/FPS.

As tropas robóticas permanecem em Disintegration, mas a câmera do jogador se tornou um veículo no mundo – o Gravcycle. A partir disso, você consegue emitir comandos e usar o seu armamento para contribuir diretamente com o esforço da guerra. Essa interação adicional significava maior perigo: agora você é alvo de forças opostas.

“Nós levamos um tempo para encontrar o ponto ideal, onde você está envolvido em combate, mas também é capaz de gerenciar esse grupo de unidades de maneira fluida e tática”, explica Lehto sobre o ajuste fino da mecânica de jogo principal que faz malabarismos com os dois estilos de reprodução diferentes, mas interligados.

Comandando sua equipe

Jogando a campanha para um jogador ou o multiplayer, a mecânica de jogo é praticamente a mesma. Os direcionais permitem que você mova seu Gravcycle unidirecional mente e o L2 e R2 dispara suas armas.

O D-pad seleciona uma de suas tropas terrestres. Uma vez feito, um retículo da interface do usuário aparece e indica a zona alvo que será o foco da habilidade especial dessa tropa, ela é ativada com o pressionar de um botão. Suas armas e suas habilidades têm períodos de espera/recarga.

Uma das principais diferenças entre a história da campanha em termos de mecânica é a dilatação do tempo. “O tempo diminui, permitindo que você emita várias habilidades de unidade em um período em que normalmente não era possível”, diz Lehto.

Game Disintegration

O seu Gravcycle está limitado a uma altura de cerca de seis andares e suas tropas estão restritas a uma distância de cerda de 15 metros de distância. Você só pode ordenar uma investigação dentro desse raio e eles reagem contextualmente, abrem portas, roubam reatores, lutam contra as forças inimigas.

O estúdio está equilibrando os níveis de poder para enfatizar o quanto suas tropas são essências para a sobrevivência. “Não se trata apenas de Gravcycle para Gravcycle, como você dispara como qualquer outro jogo de tiro em primeira pessoa”, diz Lehto. “Você pode tentar jogar dessa maneira, mas não será muito bom para você”.

O Multiplayer

No modo de recuperação multijogador 5v5, as equipes são pré-definidas e tem classes semelhantes a tanques e outros. É muito importante planejar a combinação certa de tripulação da perspectiva de uma equipe, não há tempo para brincadeiras no campo de batalha, este modo de jogo é rápido.

A campanha de Disintegration para um jogador e história

A campanha do modo história é “realmente diferente quando se trata da experiência do jogador”, diz Lehto. A exploração é frontal e central, intercalada com “bolsões de combate” à medida que você encontra uma variedade de ameaças, únicas à campanha, ao completar missões. Seu ritmo mais lento em vários mapas amplos, permitirá que você aprenda sobre o mundo e se familiarize com a caixa de ferramentas do jogo.

História – Algumas calamidades inexplicáveis atingem a Terra, forçando a humanidade a integrar seus cérebros em corpos robóticos para proteção. Aqueles que gostam da mudança e querem que ela seja permanente (o inimigo conhecido como Rayonne) caçam aqueles que não gostam (esse seria você). Mas em vez de uma guerra travada por super soldados, é uma luta adotada por pessoas comuns, que você conhecerá ao longo da campanha.

Você assume o papel de Romer Shoal, um piloto que lidera uma equipe de resistência que luta contra Rayonne.

O mundo e sua história de fundo são interessantes e muito intrigante, a mecânica de jogo é um curioso híbrido de diversos estilos e juntos criam um jogo de tiro estratégico que promete ser mais do que uma mistura de novidades.

Fonte [PlayStation]